sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Ação para a retirada de vídeos de touradas das lojas de turismo dos Açores



S'il vous plaît, défiler vers le bas pour le français
Por favor, desplácese hacia abajo para español
Please, scroll down for english


PORTUGUÊS
Caros/as amigos/as,
Pedimos a vossa ajuda no envio desta carta que pede a retirada de videos de touradas dos postos de turismo das ilhas dos Açores.

Agradecemos desde já!


Para: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt

cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com

Bcc: mcatacores@gmail.com


Exmo Senhor Diretor Regional do Turismo
c/c Secretário Regional do Turismo e Transportes, ao Presidente do Governo
Regional dos Açores e aos responsáveis pelas Delegações e Postos de  Turismo dos Açores

Temos conhecimento de que em vários estabelecimentos comerciais, sobretudo os especializados em produtos para turistas, são emitidos regularmente vídeos sobre touradas à corda.

Destes estabelecimentos é bom exemplo a Loja Açores situada nas Portas do Mar, em Ponta Delgada, onde é possível encontrar três grandes ecrãs a passar, simultaneamente, vídeos de “Marradas”, que conhecemos bem através da publicidade aos mesmos que é feita no Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4).

Os mencionados vídeos, para além de transmitem imagens de violência contra os animais, mostram a brutalidade duma tradição que provoca sofrimento às pessoas que, participando são voluntariamente ou não, alvo de ferimentos, nalguns casos de elevada gravidade, ou que acabam por morrer, como já aconteceu este ano na Terceira e no Pico.

Como pessoa consciente e compassiva, venho manifestar a minha preocupação pelo facto da transmissão das referidas imagens constituírem um poderoso instrumento de deseducação para insensibilizar, habituar e até viciar crianças e adultos no abuso sobre animais, o que poderá induzir mais violência sobre animais e sobre pessoas.

Para além do referido, as imagens transmitidas constituem uma enorme vergonha para os Açores e poderão dissuadir o turismo de muitas pessoas provenientes de países onde este tipo de eventos é fortemente repudiado e até perseguido criminalmente

Temos conhecimento que a transmissão de marradas nos aeroportos, para além de já terem deixado horrorizados alguns turistas, tem causado perplexidade a algumas pessoas que têm visitado a Região, a convite de empresas ou do próprio governo regional, e embaraço aos seus acompanhantes.

Face ao exposto, venho solicitar a tomada de medidas no sentido de por fim à transmissão de vídeos de marradas e touradas em todos os locais onde os mesmos possam contribuir para a banalização do sofrimento de animais e pessoas e para manchar a imagem dos Açores junto de potenciais visitantes.


Atentamente,
(Nome)


----

ESPAÑOL
Compañeros e Compañeras, les pedimos su ayuda en el envío de esta carta solicitando la eliminación de los vídeos de las corridas de toros en las oficinas de turismo de las islas Azores. 
Muchas gracias!



Para: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt

cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com

Bcc: mcatacores@gmail.com



Exmo. Sr. Director Regional de Turismo
c/c Secretario Regional de los Transportes e Turismo , Presidente del Gobierno Regional de
Azores, responsables por las Delegaciones y Puestos de Turismo de Azores


Tenemos conocimiento de que en varios establecimientos comerciales, concretamente los especializados en productos regionales para turistas, son emitidos regularmente videos de eventos tauromáquicos con toros ensogados.

De este tipo de establecimientos constituye un buen ejemplo la “Loja Açores” situada en las Puertas del Mar, en Ponta Delgada, donde se encuentran tres grandes pantallas que pasan simultáneamente videos de “embestidas y cornadas” que son bien conocidos por la publicidad existente de ellos en Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4).

Los videos mencionados, además de trasmitir imágenes de violencia contra los animales, muestran la brutalidad de una tradición que provoca sufrimiento a las personas que, participando o no de forma voluntaria, son objeto de daños corporales, en algunos casos de elevada gravedad, y que en ocasiones acaban incluso por fallecer, como ya sucedió este año en las islas de Terceira y Pico.

Como persona consciente y compasiva, quiero manifestar mi preocupación por el hecho de que la trasmisión de estas imágenes constituye sin duda un poderoso instrumento de deseducación que lleva a insensibilizar, habituar y hasta viciar a niños y adultos en el abuso contra animales, lo que podrá inducir en el futuro más violencia sobre animales y sobre personas.

Además, las imágenes trasmitidas constituyen una enorme vergüenza para las Azores y podrán disuadir para el turismo a muchas personas provenientes de países donde este tipo de eventos es fuertemente repudiado y hasta perseguido criminalmente.

Tenemos constancia de que la transmisión de estas “embestidas y cornadas” en los aeropuertos, además de dejar horrorizados a algunos turistas, ha causado una gran perplejidad a algunas personas que visitan la región, invitadas por empresas o por el propio gobierno, y un gran embarazo a sus acompañantes.

Considerando todo lo expuesto, solicito que se tomen medidas para poner fin a la trasmisión de estos videos en todos los lugares donde puedan contribuir para la banalización del sufrimiento de animales y de personas y donde puedan contribuir para manchar la imagen de las Azores frente a potenciales visitantes.


Atentamente
(Nombre)


---

FRANÇAIS
Chers camarades
Nous demandons votre aide en envoyant cette lettre demandant le retrait des vidéos de corridas de bureaux de tourisme des îles Açores.
Je vous remercie à l'avance!




Envoyer à: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt

cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com

Bcc: mcatacores@gmail.com


Monsieur le Directeur Régional au Tourisme
c/c au Secrétaire Régional de Transport e Tourisme, au Président de la Région des Açores et aux responsables des Délégations et Offices de Tourisme des Açores


Nous avons appris que dans plusieurs établissements commerciaux, spécialement dans ceux spécialisés en produits destinés aux touristes, des vidéos de corridas à la corde sont exhibés régulièrement au public.

Le magasin Açores, situé à Portas do Mar, à Ponta Delgada en est un exemple, où trois grands écrans donnent à voir simultanément des vidéos de marradas , bien connues par la publicité diffusée sur Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4).

Les vidéos mentionnées, en plus de projeter des images de violence contre des animaux, montrent la brutalité d'une « tradition » qui provoque même de la souffrance aux personnes, participantes, volontaires ou non, puisqu'elles sont souvent blessées grièvement ou même tuées, comme cela a été le cas cette année à Terceira et à Pico.

En tant que citoyen doué de conscience et de compassion, je tiens à manifester mon indignation vis à vis la diffusion de ces images, lesquelles constituent un puissant outil anti-pédagogique, ayant pour effet la désensibilisation et la banalisation de la cruauté envers les animaux, tout en incitant à la violence non seulement contre les animaux mais aussi contre les personnes.

Par ailleurs, ces images sont honteuses pour les Açores, pouvant dissuader plutôt qu'attirer les touristes, lesquels dans leur grande majorité, sont originaires de pays où ces pratiques barbares sont condamnées par la population et interdites par la Loi.

C'est un fait avéré que la diffusion de marradas dans les aéroports, en plus d'étonner les touristes, choquent ceux qui visitent la région invités par les entreprises ou par le gouvernement régional lui-même.

Cela étant dit, je sollicite que des mesures soient prises pour qu'on mette fin à cet étalage de violence gratuite dans tous ces lieux où il contribue à la banalisation de la souffrance animale et des personnes et où il porte préjudice à l'image même des Açores.

Cordialement,
(nome)

---

ENGLISH
Dear Friends,
We ask your help in sending this letter requesting the removal of videos of bullfights of tourism offices of the Azores islands.
Thank you in advance! 



To: acoresturismo@mail.telepac.pt, info.turismo@azores.gov.pt

cc: presidencia@azores.gov.pt, srtt-Info@azores.gov.pt, pt.de.smg@azores.gov.pt, pt.f.smg@azores.gov.pt, pt.ae.smg@azores.gov.pt, pt.de.ter@azores.gov.pt, pt.ae.ter@azores.gov.pt, pt.fai@azores.gov.pt, pt.pic@azores.gov.pt, pt.sjo@azores.gov.pt, pt.gra@azores.gov.pt, pt.sma@azores.gov.pt, pt.flo@azores.gov.pt, dt.lis@azores.gov.pt, pt.por@azores.gov.pt, associacaoportasdomar@gmail.com, turismoacores@visitazores.com, info@artazores.com

Bcc: mcatacores@gmail.com




Mr. Regional Director for Tourism
c/c Regional Secretary of the Transportation and Tourism, the President of the Region of the Azores and leaders of delegations and the Azores Tourist

I have learned that in many commercial establishments, especially those specializing in products for tourists, videos of bullfighting are regularly exhibited to the public.

For example, the store Azores, located at Portas do Mar, Ponta Delgada contains three large screens that are used to show videos of marradas, which can be found on Youtube (http://youtu.be/2h-WhhqFjv4 )

The videos mentioned, in addition to projecting images of violence against animals, show the brutality of a "tradition" that causes suffering to both participants and observers who are often seriously injured or even killed, as was the case this year in Terceira and Pico.

As a citizen endowed with conscience and compassion, I wish to express my opposition towards the dissemination of these images, which have the effect of desensitizing and normalizing cruelty to animals, while inciting violence against both animals and people.

Moreover, these images are shameful for the Azores and deter tourists, the vast majority of whom are from countries where these barbaric practices are condemned by the public and prohibited by law.

In addition, the showing of marradas in airports shocks tourists who visit the region at the invitation of companies or by the regional government itself.

That being said, I ask that measures be taken to end this display of gratuitous violence in all those places where it contributes to the trivialization of the suffering of animals and people, and where it is detrimental to the image of Azores.

Sincerely,
(Name)

domingo, 18 de novembro de 2012

Contra os subsídios para as touradas provenientes da UE

A Fundação Franz Weber lançou uma "tweetcampaign” contra os subsídios para as touradas provenientes da União Europeia. É dever de todos os cidadãos preocupados com o futuro na nossa Terra participar e divulgar a campanha. Para o fazer pode utilizar o seguinte link: www.NoMoreFunds.org

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

A “arte da tauromaquia” dá que pensar


publicado originalmente no jornal Açoriano Oriental
15 de Novembro de 2012


O programa Biosfera (rtp2) dedicou a sua última edição à “arte da tauromaquia”.
Sem qualquer intuito de ser parcial, ao longo da cerca de meia-hora de programa, ouvindo aficionados e abolicionistas, o programa termina com uma clara expressão da atual situação.

O programa realmente deu que pensar e deixou no ar várias questões.
A primeira é percebemos que parece ter virado moda de ir à tv usar palavras descontextualizadas, como “refundação”, ou sem saber o seu significado quando ouvimos o representante da Prótoiro a referir-se ao estatuto de cidade anti-tourada de Viana do Castelo como “ditadura cultural”. O que queira lá isso dizer, o que é curioso aqui é ser dito por um representante de uma associação fundada por pessoas de extrema-direita ligadas a movimentos fascistas, fãs de regimes ditatoriais. Dá que pensar.

A segunda questão é a dos subsídios públicos, que nos Açores são absolutamente escandalosos. Quando no inicio do ano, a Prótoiro jurava a pés juntos que a tauromaquia não recebia um tostão do Estado, agora parecem ter mudado o discurso dizendo que “não recebem do Estado Central”. O que queira lá isso ser, esse novo conceito de “estado central” - o Estado é um todo de pessoas e entidades públicas -, o certo durante o programa bastaram 5 minutos para se contradizerem quando o responsável por um museu tauromáquico (onde toda a tauromaquia deveria estar) reconhece que o Estado concede subsídios à tauromaquia. Dá que pensar.

A terceira questão é o facto curioso de que no mesmo dia em que o novo presidente da Região Autónoma dos Açores tomava posse, no programa Biosfera foram recordados os subsídios públicos atribuídos às touradas pela Secretaria Regional da Economia, dirigida até então pelo atual presidente do governo regional - o presidente que agora promete focar-se na criação de postos de trabalho. O certo é que, o conjunto do subsídios concedidos à tauromaquia só em 2012, podia ter criado alguns postos de trabalho, nos Açores, e pago bastantes salários dignos durante um bom período de tempo. Dá que pensar.

Por fim, ouvimos o representante da Prótoiro dizer que os animais não têm direitos porque não têm deveres. Por essa (i)lógica, poderíamos perguntar, a quem pensa do mesmo modo, o que têm a dizer sobre as crianças. Mas mais interessante, para nós Açorianos, seria ouvir dissertar sobre os deveres dos aficionados. Por exemplo, o que dizer sobre os deveres políticos e sociais do presidente da Câmara Municipal da Lagoa, em São Miguel, que viola leis para promover vacadas no concelho?
Quais os deveres dos empresários da tauromaquia para combater a economia paralela? Quais os deveres dos políticos aficionados para garantir um bom uso e gestão dos nossos impostos? Quais os deveres dos aficionados no contributo para um desenvolvimento social e para uma sociedade justa e sem violência?
Dá que pensar.



Francisca M. Ávila





segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Manifesto - Pelo fim da tauromaquia nos Açores


Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores


MANIFESTO
Pelo fim da tauromaquia nos Açores


Desde o século XIX, muitas têm sido as vozes açorianas que se têm insurgido contra as práticas tauromáquicas, entre as quais se destacam: a escritora Alice Moderno, o médico Alfredo da Silva Sampaio, o militante social Adriano Botelho e o professor universitário Aurélio Quintanilha.

É cada vez maior o número de pessoas que entende a tauromaquia como uma expressão de insensibilidade e violência, que deseduca e anula o sentido crítico individual e coletivo.

Nos últimos anos, têm sido publicados estudos que reconhecem que crianças e adultos que assistem a práticas tauromáquicas tornam-se pessoas tendencialmente mais agressivas e violentas.

A ciência comprova que a tourada, como conjunto de práticas cruentas, é causadora de dor e sofrimento a mamíferos que, como os touros e os cavalos, têm um sistema nervoso muito parecido com o humano.

Estando as sociedades em constante evolução, a tradição não pode servir para legitimar ou justificar a continuação de práticas cruéis e violentas. Por esse motivo e pelo reconhecimento de que uma sociedade que se diverte perante o sofrimento alheio não é uma sociedade saudável, são cada vez mais os países, regiões e municípios por todo o mundo a proibir a prática da tauromaquia e outros espetáculos violentos com animais.

Nos Açores, tal como no resto do país, num contexto socioeconómico de dificuldades extremas para o cidadão comum, o estado continua a financiar a tauromaquia com milhões de euros do erário público, sem que isto tenha qualquer impacto no desenvolvimento da economia, beneficiando apenas um pequeno grupo de empresários tauromáquicos.

Para combater e contribuir para a alteração da situação atual, o Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia dos Açores (MCATA) organiza-se como um coletivo informal de pessoas que apoia a total abolição de todas as práticas tauromáquicas e adota os seguintes princípios:

Independência face a qualquer outro tipo de grupo social constituído, como partidos políticos, organismos oficiais, grupos económicos, crenças religiosas ou outros grupos de interesse;
Sem fins lucrativos, todo o trabalho é estritamente voluntário;
Sem quaisquer hierarquias, é privilegiada a discussão e o consenso como principal método de tomada de decisões.
A não-violência, o respeito pelo outro e o diálogo estão na base de todas as iniciativas e intervenções.


O MCATA faz um apelo à união de todas as pessoas que lutam pela abolição da tauromaquia e defende a cooperação solidária com todas as organizações abolicionistas da região, e também ao nível nacional e internacional.

Por último, o MCATA compromete-se a lutar para que a Região Autónoma dos Açores acabe com qualquer apoio logístico e financeiro à tauromaquia e invista, antes de mais, nas necessidades básicas dos cidadãos, como a educação, a saúde, a habitação, a ação social, os transportes e na criação e fixação de postos de trabalho, considerando sempre como uma prioridade a conservação, defesa e respeito pelo ambiente, e pelo próximo, nos Açores.

Por uma região sem crueldade e sem violência, junta-te ao MCATA!


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

2012, Ano de sucesso para a tauromaquia nos Açores:

Pelo menos duas mortes, um número desconhecido de feridos, milhares de euros esbanjados e a revelação da insensatez e ignorância de alguns políticos


Acabada a época tauromáquica, é tempo de fazer um balanço preliminar, necessariamente muito incompleto, pois o que é transmitido pela comunicação social aficionada ou pelos “especialistas” em tortura animal, mais ou menos suave, é apenas a parte mais “cor-de-rosa” da impropriamente denominada festa dos touros.

Esta época vai ficar marcada pelo desaparecimento de um jornal da Igreja Católica, A União, cujo diretor, o padre Marco Gomes, tomou partido pelo divertimento à custa do sofrimento dos touros e cavalos, tendo dado a voz aos adeptos das touradas, mesmo das mais cruéis e bárbaras, como as picadas e ignorado as associações que defendem os animais e que consideram anacrónicas as touradas ditas artísticas ou populares.

Este ano, também, vai ficar marcado pela continuação da integração nos programas das festas religiosas de algumas freguesias da aberração que é a da tortura animal, vulgo touradas, vacadas ou afins. Tal acontece numa altura em que as paróquias passam por dificuldades e a diocese anda de rastos, de tal modo que vai despedir trabalhadores do órgão de comunicação social referido e de que é proprietária.

Foi precisamente numa tourada integrada numa festa religiosa que na ilha do Pico, morreu (foi assassinado pela ignorância ou pela indústria tauromáquica) estupidamente uma pessoa. A propósito, para além daquela morte as touradas à corda também foram responsáveis pela morte de um homem, em São Bento, na Ilha Terceira, desconhecendo-se se houve mais alguma morte, pois mortes e feridos em touradas são mais do que segredo de estado.

Tal como não há isenção jornalística (nalguns casos, interesse) para divulgar o número de mortes e de feridos em touradas, o hospital de Santo Espírito da Terceira, também dá uma ajuda preciosa à falta de transparência, não divulgando qualquer informação, mesmo quando solicitado para o efeito.

Aproveitando a época de campanha eleitoral, a maioria dos políticos dos Açores, sem qualquer estatura moral para o exercício de qualquer cargo público ignorou o bárbaro “espetáculo” que podia ser cultural na era da escravatura humana mas que hoje é anacrónico ou, pior, pronunciou-se, revelando a sua ignorância ou a sua baixeza moral e ética.

Limitando-me aos três partidos mais votados, diria que não vale a pena gastar o teclado do computador para escrever muitas linhas sobre o líder do CDS-PP pois o mesmo, como um dos votantes a favor da legalização da sorte de varas, é um adepto confesso da tortura em grau mais elevado.

A líder do PSD foi uma surpresa desagradável para todos os simpatizantes do seu partido que acreditavam na sua compaixão para com os animais. Com efeito, numa declaração à RTP - Açores, a Drª Berta Cabral afirmou que aprendeu a gostar de touradas à corda, que não reconhece qualquer violência nessas touradas e foi mais longe ao dizer que a tourada à corda é uma brincadeira em que quem leva a melhor é o touro. Destas declarações posso concluir que a senhora ou não está bem informada ou virou fundamentalista. Com isto quero dizer que ela deve rejubilar sempre que uma pessoa vai para o cemitério ou quando alguém vai para ao hospital. Por outro lado, a ex-líder do PSD não sabe, ou finge não saber que, tal como os seres humanos, os touros têm a capacidade de sentirem sofrimento físico e psicológico e que na tourada à corda alguns touros também morrem, ficam feridos, ficam exaustos, sofrem susto e ansiedade.

Se Berta Cabral surpreendeu alguns, Carlos César foi uma revelação, pois para além do elogio à tourada à corda, não se cansou de dar loas ao quinto touro (o álcool associado à tourada). Assim, foi por demais infeliz e afrontosa para todos os açorianos que acham injustificado o sofrimento animal para divertimento de uns poucos, por mais pequeno que seja, a seguinte afirmação: “Um açoriano que se preze gosta de tourada à corda”. Um vómito!

Em termos de dinheiros públicos para a tauromaquia, em 2012, continuamos a não saber quanto dos nossos impostos continuou a ser usado para a alimentar a indústria da deseducação e do sofrimento animal.

Mas, uma coisa é certa, a hipócrita da União Europeia continuou a financiar as touradas, com o argumento de que não se pronuncia sobre as práticas “culturais” de um país quando é capaz de impor regras para o tamanho dos pepinos e os governos e as autarquias continuam a financiar, direta ou indiretamente, através do apoio às festas locais, as touradas. Mesmo assim, não andaremos longe da verdade se dissermos que o dinheiro dos nossos impostos que foi transferido para aos bolsos de alguns terá no mínimo sido superior a quatrocentos mil euros. 


Manuel Oliveira 
6 de Novembro  
Boletim Terra Livre, nº 51, Novembro de 2012

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Vacada ilegal na Lagoa, em São Miguel


Pelos Açores, por um mundo melhor, entre em ação para evitar a realização de uma vacada na Lagoa (Açores)

A todas as pessoas singulares ou coletivas, solicita-se o envio do e-mail, abaixo dirigido ao presidente da Câmara Municipal da Lagoa (São Miguel – Açores) a solicitar o não apoio e a não autorização da vacada que está marcada para o próximo dia 10 de Novembro.

Muito obrigad@

----

Para: gabpres-cml@mail.telepac.pt 
cc: mcatacores@gmail.com, acoresmelhores@gmail.com


Assunto: Vacada ilegal


Ex. Senhor Presidente da Câmara Municipal da Lagoa,

Tomei conhecimento de que se irá realizar na Freguesia de Santa Cruz, no próximo dia 10 de Novembro, uma vacada e venho por este meio manifestar o meu total repúdio por tal acontecimento, uma vez que as vacadas, contribuem para insensibilizar, habituar e até viciar crianças e adultos no abuso cruel exercido sobre animais.

Sabemos que Vossa Exª, como pessoa culta, tolerante e defensora do bem-estar animal, irá rever a sua posição anterior de apoiar eventos desta natureza, convencendo os promotores, que já pediram autorização à autarquia, a desistir da realização do evento.

Como autarca respeitador da lei, estamos certos de que V. Exª não permitirá que a vacada ocorra pois a realização da mesma em domínio público marítimo e na data referida é contrária à legislação (artigo 49.º do DLR n.º 37/2008/A, alterado pelo DLR n.º 13/2012/A), violando o regulamento respetivo a eventos como o referido.



Com os melhores cumprimentos,
(Nome)

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Pedido de esclarecimento enviado à RTP-Açores

Participa também, envia o texto para rtpa@rtp.pt


Açores, 2 de Novembro de 2012




Ex.mos/as Senhores/as
Diretor e Programadores/as da RTP-Açores,

Foi com alguma surpresa que tomamos conhecimento de que a RTP Açores tem agendada a transmissão de uma tourada no próximo sábado, dia 3 de Novembro, pelas 15 horas.

De acordo com a liberdade de programação que cabe aos operadores de televisão, prevista no art. 26º, da lei nº 27/2007, de 30 de Julho (Lei da Televisão), surpreende-nos que a RTP-Açores, serviço público de televisão, ignore o seu necessário espírito crítico e aceite promover uma prática repudiada, por todas as pessoas de bom senso e sensíveis ao sofrimento, pelo seu carácter violento com animais e pessoas. Se dúvidas houvesse disto, basta termos em atenção que só neste ano já morreu um touro e duas pessoas, uma na Terceira e outra no Pico, nas touradas à corda.

Espera-se que a RTP-AÇORES, ao prestar um serviço inquestionável à população dos Açores, tenha bem presente uma preocupação social ao não promover a violência em horário acessível a todas as pessoas e idades, e especialmente às crianças.

Considerando que a função de qualquer órgão de comunicação social é o de, para além de informar com isenção, promover o saber, fomentar a educação e nunca estimular maus costumes, sejam ou não tradicionais (como o alcoolismo ou a violência doméstica), ou fazer perpetuar tradições anacrónicas como as touradas que, banalizando a violência, levam à apatia e à insensibilidade perante o sofrimento alheio;

Considerando que a RTP-A tem um importante papel pedagógico na partilha de informação e conhecimento entre a população açoriana, que contribua para o seu desenvolvimento social e cultural;

Considerando que inúmeros estudos aprovados pela comunidade científica reconhecem que as crianças que são expostas a comportamentos de violência e agressividade, contra pessoas ou animais, são potenciais futuros agressores;

Considerando que a RTPA, como serviço publico, tem inquestionavelmente uma responsabilidade para com a sociedade;

Gostaríamos de ser esclarecidos/as sobre os critérios de inclusão na programação do canal público de televisão de programas profundamente deseducativos e que não contribuem em nada para o desenvolvimento ético e para bem-estar de todos os que vivem nos Açores.

Aguardamos a vossa resposta.


Com os nossos sinceros cumprimentos,

O Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores

sábado, 6 de outubro de 2012

Apoio ao Movimento Universitário pelos Direitos dos Animais





O MUDA lançou no passado dia 4 de outubro uma petição dirigida à Assembleia da República, requerendo o fim dos apoios públicos à tauromaquia.

À semelhança da petição lançada pelo Movimento Cívico Abolicionista da tauromaquia dos Açores no inicio deste ano, os estudantes fundamentam as suas reivindicações com base na situação politica e socioeconómica do país que tem afastado milhares de jovens das universidade por falta de recursos financeiros.

A petição alerta ainda para o facto de que o amplo reconhecimento pela comunidade cientifica de que os animais são seres sencientes, capazes de sentir física e emocionalmente, não pode continuar a ser ignorado pelo estado. 

Estima-se que a industria da tauromaquia seja financiada em cerca de 16 milhões de euros anualmente, do erário público, valor esse que os signatários de ambas as petições exigem que seja canalizado para garantir bens sociais essenciais à dignidade de cidadãos/ãs como é a saúde, educação, habitação, criação de empregos ou assegurar redes de transportes públicos. 

Relembramos que a petição criada em Março e entregue em Maio, na Assembleia Regional, contanto com mais de duas mil assinaturas não foi discutida em plenário, afastando assim os cidadãos comuns de participarem e terem voz nas decisões e discussões politicas nos Açores.

Deste modo, o MCATA manifesta o seu apoio a mais esta iniciativa que visa pôr fim à violência gratuita e apela a uma melhor gestão e distribuição de dinheiros públicos. 



As petições podem ser lidas e assinadas em:

MUDA – Pelo Fim dos Apoios Públicos à Tauromaquia

MCATA - Petição Pelo Fim dos Subsídios Públicos à Tauromaquia nos Açores

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A candidata pelo PSD e as touradas

Berta Cabral é a Candidata do PSD à presidência do Governo Regional dos Açores e ex-presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada


quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Como os aficionados contribuem para a luta antitourada

Publicado originalmente em: O Baluarte e Açoriano Oriental

Nos últimos dias, a propósito das festas de Viana do Castelo, muito se tem falado de touradas.
Em 2009, Viana do Castelo tornou-se oficialmente uma cidade antitourada, integrando a rede de cidades saudáveis. A decisão, para além de pacifica acolheu a simpatia dos Vianenses e de gente de Portugal Continental, ilhas e por outros cantos do mundo.

Nos últimos tempos, o lóbi tauromáquico tem enfrentando grandes dificuldades. Dificuldades essas que não são mais do que os frutos de um desenvolvimento social, cívico e do crescimento de uma conscencialização ecológica. Por outras palavras: progresso.


As investidas do lóbi tauromáquico para contrariar e estagnar o desenvolvimento da consciencialização social das populações têm sido um tanto desastrosas para si próprios e benéficas para a causa antitourada.
Há não muito tempo, aquando dos projetos de lei do Bloco de Esquerda e PEV, que entre eles, sugeriam o fim dos apoios públicos à tauromaquia, rapidamente saltaram vozes que juraram de pés juntos que a tauromaquia, para além de não receber um cêntimo do Estado, eram rentável para as autarquias. Essas afirmações passam a ser particularmente curiosas quando se tem conhecimento da afluência de empresários tauromáquicos à sessão pública, organizada pelo BE, para discutir as mesmas propostas. Dizem as noticias que a sessão ficou marcada por insultos por parte dos aficionados, diz, quem lá esteve, que ficou ainda marcada pela falta de capacidade de argumentação e por um vocabulário pobre e desarticulado dos aficionados, confirmando assim (e eu nunca precisei de confirmação) as personalidades tendencialmente agressivas de quem assiste a touradas, e a baixa instrução de quem não tem a capacidade de adaptar tradições à realidade atual.


Mas afinal, se as pessoas que vivem às custas das touradas não recebem apoios públicos, porque se apressaram em ir defender o seu “quinhão”? Não faz sentido, é pouco credível. Se houve quem acreditasse na inexistência de apoios deixou de acreditar. No meio das trapalhices aficionadas, ganhou a causa antitourada.

Em Viana a situação repete-se. A elevação da cidade a primeira cidade antitourada de Portugal agradou a população. Agora, os aficionados, em mais uma investida atrapalhada, sem capacidade de medir as consequências, decidem fazer uma tourada em Viana.

A população foi clara: não os querem lá. A tourada em Viana foi polémica por vários motivos: primeiro pelo desrespeito do lóbi tauromáquico pela cidade e pelas suas gente; segundo pelo desrespeito ao poder local; terceiro porque uma tourada nunca é uma coisa boa. 
As condições em que o circo foi montado, gerou a indignação de muita gente, por se traduzir em mais um ataque ao poder local - afinal os tribunais podem contrariar a vontade do povo para servir interesses de lóbis? Depois de todos os ataques dos últimos tempos, ainda há quem respeite o poder local em Portugal? A população de Viana sente-se desrespeitada, viram a sua vontade violada e as suas festas manchadas. A causa antitouradas cresceu.

Outro episódio curioso são as investidas na ilha de São Miguel. Há dois dias, na minha passagem pelo aeroporto de Ponta Delgada, a caminho da minha terra natal - Angra do Heroísmo, deparei-me com um quiosque que transmitia a barbárie da minha própria terra - a tourada à corda. Primeiro chamou-me a atenção as expressões das pessoas que olhavam para um monitor. Eram turistas, provavelmente nórdicos pela cor da pele e cabelo e o seu olhar era claro como água: o repúdio total. Achei ainda curioso os comentários de senhoras com alguma idade que de forma pausada e com o sotaque próprio da ilha diziam algo como “mas perquié quéssa gente não se põe a lê um livre em vez d'a atormentá os biches? Ome, certamente!”. Prova de que não é preciso estar-se na “flor da idade” para perceber o óbvio. No aeroporto de Ponta Delgada, parece ganhar também a causa antitourada.

O desespero de quem vive à custa de uma prática bárbara como a tourada, têm-se tornado, de maneira implícita, um aliado da luta pela fim das touradas em Portugal (sem esquecer os Açores) e no Mundo. Há que saber continuar a tirar todo o proveito dele.
Os touros, cavalos e toda uma sociedade que repudia a violência gratuita, agradecem aos desesperados. 


Francisca M. Ávila
Angra do Heroísmo, 21 de Agosto de 2012


foto: marinhenses anti-tourada

terça-feira, 21 de agosto de 2012

O Estado defensor da imoralidade tauromáquica

A realização de uma tourada no passado dia 19 de Agosto na única cidade antitouradas de Portugal, contra a decisão da Câmara Municipal de Viana do Castelo que não a autorizou, mas que contou com a complacência de um juiz de um tribunal de Braga, levou-me a refletir sobre o assunto e a levantar algumas questões, relacionadas com a suposta imparcialidade das várias instituições no que diz respeito à elaboração e ao cumprimento das leis que eles próprios criaram.


Até serem legalizadas as touradas de morte em Barrancos, com uma ajudinha do ex-presidente da República, Jorge Sampaio, amigo da tortura animal, foram cometidas ao longo de vários anos inúmeras ilegalidades sem que os prevaricadores tenham sido devidamente punidos. Uma vez mais, estiveram os poderes instalados ao serviço do retrocesso civilizacional e da imoralidade.


Nos Açores, a situação é por demais semelhante ao que se passa a nível nacional e até internacional. Se não fossem os apoios do Governo Regional e, pasme-se, da própria Assembleia Legislativa Regional que promove touradas, das autarquias, com destaque para as Câmaras Municipais de Angra do Heroísmo e da Praia da Vitória, as touradas de praça já tinham acabado e as de corda estariam reduzidas. Além disso, não poderá ficar esquecido o agrupamento de Estados denominado União Europeia que dizendo apoiar a agricultura ou a agropecuária hipocritamente subvenciona a criação de touros para serem torturados em espetáculos degradantes e violentos.



Deixando de lado as leis que são imorais pois, condenando os maus tratos animais, abrem exceção relativamente aos touros, se analisarmos a atuação das entidades que deviam zelar pelo cumprimento da lei, chegaremos à conclusão que a única legislação que é cumprida no que se refere a touradas é a lei da selva.


Já foram denunciadas, que eu saiba, à Direção Regional da Cultura (ou melhor Direção Regional da Tortura) a realização de uma tourada em Dia de Luto Nacional e a presença de crianças com menos de seis anos em diversas touradas, na ilha Terceira. No primeiro caso a resposta foi do género: “não sabíamos que José Saramago ia morrer” e no segundo caso, até há algum tempo, o silêncio absoluto.

No caso da presença das crianças que lá estão levadas pelos familiares, embora em muitos casos chorem de medo, como já foi denunciado por quem já assistiu, as entidades fecham os olhos pois sabem que não é apenas a chamada arraia-miúda que o faz mas também pessoas que ocupam os mais altos cargos governamentais e autárquicos.

A presença da polícia muitas vezes não é para obrigar o cumprimento da lei, mas sim para garantir a segurança de espetáculos que nem cumprem o estipulado nas leis, nomeadamente em termos de licenciamento e de publicidade. Para confirmar o mencionado basta consultarem os cartazes que divulgaram as touradas à corda promovidas por comissões de festas, da Igreja Católica, da Pedreira de Nordeste, dos Aflitos ou de Santa Bárbara (Ribeira Grande). Em dois dos casos, a não indicação da proveniência dos touros (por vezes bezerros que deixaram a “fase de aleitação” há pouco tempo) poderá estar associada a uma tentativa de fuga aos impostos por parte dos seus donos.

Sabendo que o que se pretende é acabar com o desnecessário sofrimento animal, será que podemos confiar cegamente nas entidades que tudo têm feito para que as coisas continuem como estavam no início do século passado ou em alguns casos pior?

Mas, perante uma conjuntura desfavorável, os amigos dos animais não devem desistir. Devem auto-organizar-se em associações ou em grupos informais e assim combater a indústria tauromáquica, denunciando os seus negócios sujos, todas as irregularidades e rebatendo todas as inverdades que é por eles transmitida.

Só conseguiremos uma sociedade melhor para todos, animais incluídos, se formos capazes de romper o cerco de alguma comunicação social e se conseguirmos fazer chegar a mensagem da verdade à maioria da população açoriana.




Manuel Soares

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Defensor Moura junta-se aos protestos em Viana


Defensor Moura, ex-autarca de Viana do Castelo, vai juntar-se à população no próximo domingo para reivindicar a continuidade de Viana do Castelo como cidade saudável livre de crueldade.

No seu perfil no facebook, o ex-presidente da Câmara diz ser escandalosa a decisão do tribunal que "autorizou a instalação da arena de tortura dos touros em Viana do Castelo, num terreno onde o próprio agricultor não teria autorização para construir um pequeno casebre provisório, para guardar os seus utensílios agrícolas!"

Em declarações à lusa, Defensor Moura diz ainda que o tribunal desautorizou a Câmara daquela que é a cidade que simbolicamente se ergueu contra a barbárie.

Para quando autarcas contra a barbárie nos Açores?





quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O Meu Movimento: Fim dos dinheiros públicos para as touradas

Movimento do Rui Manuel

As touradas custam-nos a todos 16 Milhões de euros/ano.
Concorda que o seu dinheiro seja usado para manter esta actividade?

Se não concorda, registe-se no Portal do Governo
vá a este link:
http://www.portugal.gov.pt/pt/o-meu-movimento/ver-movimentos.aspx?m=1335

onde pode ler:


Os subscritores deste Movimento consideram injusto e imoral que os dinheiros públicos sejam utilizados na perpetuação das touradas em Portugal.


A realização de touradas em Portugal depende dos subsídios para a criação de touros e de diversos apoios das autarquias. Estes apoios custam anualmente ao Estado português cerca de 16 milhões € que podiam ser utilizados de forma mais útil e saudável.


E no final do texto carregue em APOIAR

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Apoio dos Açores para Viana do Castelo, cidade antitourada

imagem: http://www.facebook.com/ONGANIMAL



A propósito das investidas do lobby tauromáquico, que tenta realizar uma tourada naquela que é a primeira cidade declaradamente anti-tourada do país, o Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia dos Açores (MCATA) enviou hoje uma carta de apoio ao Município de Viana do Castelo.
Olhando para Viana do Castelo como um exemplo para todos os que defendem um mundo sem barbárie, na carta enviada, o MCATA afirma estar sempre solidário com todas as entidades que combatam as pressões exercidas pelos mercados de espetáculos violentos e deseducativos, como está a acontecer com a autarquia daquela cidade.

O movimento açoriano manifestou assim o seu total apoio à posição de resistência da Câmara Municipal em manter a cidade livre de crueldade.





Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia dos Açores apoia Viana do Castelo, Cidade Antitouradas



Exmo. Sr. Eng.º José Maria Costa,
Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo:



Excelência,

Somos um Movimento Cívico, açoriano, com o objetivo de lutar pela abolição da tauromaquia nos Açores. Contudo, do mesmo modo que apelamos a todos os que defendem um mundo sem barbárie para com os animais nos apoie no nosso combate, não podemos ficar indiferente a quem noutras paragens persegue os mesmos objetivos.

Assim sendo, é sempre com orgulho que apresentamos o exemplo de Viana do Castelo, a única cidade portuguesa antitouradas e foi com muito agrado que tomámos conhecimento da não- autorização por parte da Câmara Municipal presidida por V. Exª, para a realização de uma tourada no próximo dia 19 de Agosto.

Sabendo-se das pressões exercidas sobre a Vossa Autarquia por parte de entidades sem escrúpulos que mais não pretendem do que alargar os seus mercados para um espetáculo violento e deseducativo, vimos manifestar o nosso total apoio à posição tomada pelo Vosso município de manter a não-autorização à tourada prevista.


Com os melhores cumprimentos,
MCATA

sábado, 4 de agosto de 2012

NÃO FIQUE INDIFERENTE




AJUDE-NOS A TRAVAR A INVESTIDA DA INDÚSTRIA TAUROMÁQUICA EM SÃO MIGUEL (AÇORES)
Proteste contra a realização de uma tourada à corda em Santa Bárbara no próximo dia 11 de Agosto de 2012



Está prevista a realização de uma tourada à corda na freguesia de santa Bárbara, concelho da Ribeira Grande na Ilha de São Miguel, no próximo dia 11 de Agosto promovida pela Comissão de Festas, ligada à Igreja Católica.

Escreva ao sr. Bispo e ao Padre da Paróquia para impedir que o referido triste “espetáculo” se realize. Divulgue por todos os seus contatos.

Pode usar o texto abaixo ou personalizá-lo a seu gosto.



Bcc: acorianooriental@acorianooriental.pt,jornal@diariodosacores.pt, acoresmelhores@gmail.com, matp.acores@gmail.com, auniao@auniao.com, u@auniao.com, apacores@gmail.com, gbea@amigosdosacores.pt, cantinhoanimaisacores@hotmail.com,


Exmo. e Revmo. Senhor

Dom António de Sousa Braga


C/c: Pároco da Freguesia, Presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Presidente da Assembleia Municipal da Ribeira Grande, Presidente da Junta de Freguesia



Tomei conhecimento através de uns cartazes que violam o disposto no Decreto Regulamentar n.º 62/91, de 29 de novembro, no que se refere à publicidade dos chamados “espetáculos tauromáquicos”, que promovida pela Comissão de Festas, vai realizar-se, no próximo dia 11 de Agosto, uma tourada à corda na freguesia de Santa Bárbara, concelho da Ribeira Grande.
Considerando que a Igreja Católica deveria ter uma posição clara de oposição às touradas, que foram condenadas e proibidas pelo Papa Pio V, que as considerava como espetáculos alheios de caridade cristã;

Considerando que as touradas em nada contribuem para educar os cidadãos e cidadãs para o respeito aos animais, além de causarem sofrimento aos mesmos e porem em risco a vida das pessoas;

Considerando que entre a população local há paroquianos que estão descontentes com o uso das suas contribuições para fins que em nada servem para a elevação moral e ética dos habitantes de Santa Bárbara;

Considerando que a Igreja (e as comissões a ela associadas) não pode violar as leis em vigor;

Vimos apelar a V. Revª para que intervenha junto de quem de direito para que a referida tourada não se realize.

Atentamente

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Carta enviada às autoridades sobre Ilegalidade nas Touradas das Sanjoaninas









Exmo. Sr. Diretor Regional da Cultura,


Atendendo às numerosas informações existentes de que crianças de menos de 6 anos assistem frequentemente a espectáculos tauromáquicos na Praça de Touros da Ilha Terceira;

Atendendo a que no âmbito das recentes festas Sanjoaninas de 2012, realizadas em Angra do Heroísmo, foram publicadas numerosas imagens (ver anexo) onde é notória a presença de crianças menores de 6 anos nas três corridas de touros realizadas nos dias 24, 25 e 26 de Junho na Praça de Touros da Ilha Terceira;

Atendendo a que também no âmbito das referidas festas Sanjoaninas de 2012 foi realizada no dia 27 de Junho uma “bezerrada” anunciada como “Espectáculo para crianças e idosos” na mesma Praça de Touros da Ilha Terceira, onde foi evidente a presença de crianças menores de 6 anos (ver anexo), sendo ainda este espectáculo de características semelhantes àquelas de qualquer espectáculo tauromáquico habitual, com animais a serem sujeitos a práticas violentas e derramamento de sangue;

Atendendo a que dessa mesma “bezerrada” do dia 27 de Junho existem imagens (ver anexo) de crianças a participar activamente no espectáculo, aparentemente na qualidade de “toureiros” amadores ou profissionais, e em contacto directo com os touros,

Considerando que a idade mínima para assistir aos espectáculos tauromáquicos é de 6 anos nos termos da alínea b) do n.º 1 do artigo 4.º do DL n.º 386/82, de 21 de Setembro, na alteração que lhe foi conferida pelo DL n.º 116/83, de 24 Fevereiro. E sendo que nos termos da alínea a) do artigo 3.º do mesmo diploma, os menores de 3 anos não podem assistir a quaisquer divertimentos ou espectáculos públicos;


Considerando que a violação de tal norma é punível como contra-ordenação nos termos do artigo 27.º (sendo a responsabilidade imputada ao promotor do espectáculo), com coima de € 50,00 a € 125,00 por cada menor, sendo que no caso de reincidências os valores são elevados ao dobro, e 2.ª e ulteriores reincidências ao triplo (cfr artigo 29.º);

Considerando a deliberação da Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco, adoptada na sua reunião de 14 de Julho de 2009, em relação ao n.º 3 do artigo 139.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho, sobre actividades permitidas ou proibidas, deliberação que considera que os animais utilizáveis em espectáculos tauromáquicos, independentemente do seu peso, apresentam características de ferocidade/agressividade, inerentes à natureza do espectáculo, que podem colocar em perigo crianças ou jovens.



Solicitamos que V. Exa. e a sua Direcção Regional tomem as devidas medidas para apurar as responsabilidades de todos os factos relatados, punir os culpados e impedir que a legalidade volte a ser posta em causa no futuro.

Agradeceremos igualmente comunicação sobre os passos dados por V. Exa. neste sentido.


Atentamente,
Movimento Cívico Abolicionista da Tauromaquia nos Açores
matp.acores@gmail.com


Ver fotografias aqui:
http://www.facebook.com/#!/media/set/?set=a.256391861127331.43323.168412669925251&type=1

http://www.facebook.com/#!/media/set/?set=a.256157114484139.43283.168412669925251&type=3

http://www.facebook.com/media/set/?set=a.256808651085652.43381.168412669925251&type=1

http://www.facebook.com/media/set/?set=a.257245834375267.43422.168412669925251&type=3

http://www.facebook.com/#!/media/set/?set=a.258023700964147.43568.168412669925251&type=1



segunda-feira, 2 de julho de 2012

O Padre Marco Gomes, a crise da Igreja Católica e a Tortura Animal

foto retirada de auniao.com
(texto recebido por mail)


Sabendo que, ao longo da história, a Igreja Católica por inúmeras vezes sujou as suas mãos.

Não vamos, aqui, dar exemplos pois seriam necessárias resmas de papel para descrever os escândalos em que aquela esteve envolvida e muitos hectares de terra para sepultar, condignamente, todas as suas vítimas.

Contudo, pensávamos que as novas gerações de sacerdotes fossem mais evoluídas e possuíssem um coração mais sensível ao sofrimento de todos os seres vivos sencientes que com os humanos partilham a vida na Terra.

Infelizmente, parece que assim não é como se pode comprovar através de uma entrevista concedida a um adepto da tortura de touros a uma revista da Igreja Católica, dirigida pelo Padre Marco Gomes, que recebemos na nossa caixa de correio, enviada por mão amiga.

Fazer jornalismo é ser isento e apresentar os diversos pontos de vista perante determinadas situações. No caso em apreço, o padre Gomes ouviu apenas uma parte, a dos amigos das touradas e inimigos dos touros, que fartou-se de achincalhar quem tinha opinião contrária, para além de ter proferido um chorrilho de asneiras, que por decoro não vamos aqui repetir.

Como só ouviu uma parte, depreende-se que ou é jornalista tauromáquico ou se não o é, é como se o fosse, pois mostrou que está ao serviço de uma indústria anacrónica que sobrevive à custa de apoios públicos, da alienação de um povo que foi deseducado desde a infância e da tortura de touros.

Esta posição do padre Gomes parece-nos não ser uma mera opção pessoal. Com efeito, tudo leva a crer que se trata de uma orientação superior pois muitas touradas estão associadas a festividades religiosas e ao apelo, recentemente enviado por vários cidadãos e não por máquinas que criam endereços eletrónicos e enviam automaticamente aos destinatários, para que não se realizasse uma tourada à corda nos Aflitos, o senhor bispo remeteu-se ao silêncio absoluto.

Embora não nos queiramos imiscuir e assuntos internos da Igreja Católica, acreditamos que não é promovendo touradas que a hierarquia vai conseguir fazer regressar as ovelhas tresmalhadas.

Também queríamos afirmar que não são as associações animalistas, embora não estejamos ligados a nenhuma delas, nem as pessoas sensíveis ao sofrimento dos animais que vão destruir ou emperrar a organização da Igreja Católica nos Açores.

A crise por que passa a igreja e as dificuldades da diocese têm como principais responsáveis a sua hierarquia que não soube adaptar-se aos novos tempos e o senhor padre Gomes, apesar da idade nada de novo trouxe.

A pessoa amiga que nos enviou a revista também nos disse que o padre Marco Gomes na sua juventude foi um observador e protetor de aves. Sobre esse assunto, gostaríamos de lhe perguntar se a sua sensibilidade para as aves foi apenas um devaneio de juventude ou acha que uma ave deve ser protegida e um touro merece ser espetado com ferros?


Manuel Oliveira

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Sobre a tourada na Festa do Bom Jesus dos Aflitos, em Ponta Delgada


Ontem, dia 27 de junho, o Movimento Cívico Abolicionista da tauromaquia nos Açores, endireçou uma carta ao Bispo da diocese de Angra, Dom António de Sousa Braga, pedindo que se prenunciasse sobre o acolhimento de festas católicas a práticas tauromáquicas.


Uma segunda carta foi ainda enviada à Câmara Municipal de Ponta Delgada, Assembleia Municipal da mesma autarquia e Junta de Freguesia de Fenais da Luz, questionando a existência do licenciamento para realização de uma tourada agendada para o dia 30 na Freguesia de Fenais da Luz.


Na primeira carta, podia ler-se:

"Considerando a actual crise económica à qual não ficam imunes as paróquias açorianas, que se debatem com grande falta de recursos; considerando que não há tradição ou divertimento que justifiquem o sofrimento e maus tratos a um animal; considerando que as touradas em nada contribuem para educar os cidadãos e cidadãs para o respeito aos animais, além de causarem sofrimento aos mesmos e porem em risco a vida das pessoas; considerando que a Igreja Católica tem qualificado historicamente as touradas como espectáculos alheios de caridade cristã; considerando que a tourada prevista para os Aflitos vem questionar a qualidade das respeitadas festas do Bom Jesus dos Aflitos;
(...)
vimos apelar a V. Ex.ª para que intervenha junto de quem de direito para retirar do programa esta actividade injustificável."


Na carta enviada à Câmara Municipal de Ponta Delgada, Assembleia Municipal de Ponta Delgada e Junta de Freguesia de Fenais da Luz, o MCATA diz que:

"Ante a nossa estranheza pela notícia, vimos por este meio perguntar à Câmara Municipal de Ponta Delgada se foi emitida licença municipal para a realização deste espectáculo.
(...)
Consideramos que a sua realização significaria para o município um grave retrocesso civilizacional no respeito pelos animais e na defesa dos seus direitos."




Aguardam-se respostas

Nova vida para as Praças de touros

Tem acontecido um pouco por todo o mundo e com mais intensidade no últimos anos. O progresso civilizacional e o fomento do espírito crítico das populações têm ditado o fim de todas as práticas que têm como base a violência, a crueldade, o sofrimento, a humilhação e o desrespeito.

A tauromaquia não tem sido poupada e tem sido transportada para um lugar ao qual já deveria pertencer há muito tempo, o da história.

As praças têm sido readaptadas como centros comerciais - criando postos de emprego e dinamizando as economias locais, e como locais de socialização e convívio com espaço para a reflexão e pensamento crítico sem indícios de incentivo à violência.

Depois de abolir as touradas, no inicio deste ano, Bogotá, na Colômbia, é o mais recente projeto para transformação de praças. A nova vida da praça já começou.




fonte: Zé Touro

terça-feira, 26 de junho de 2012

O que é a Tenta?

Em janeiro de 2012, nos Açores, 
realizou-se um tenta ilegal 
com subsídios públicos. ver aqui


1.  A TENTA
A “tenta” é um teste daquilo a que alguns chamam de bravura do (chamado) gado bravo de lide. Faz-se a praticamente todas as fêmeas, e a alguns machos, quando estas/estes têm cerca de 2 anos de idade.

1.1. A tenta das fêmeas
Um homem, o tentador (geralmente um picador profissional), montado em cima de um cavalo cujos olhos estão vendados, e armado com uma vara de 2,5m com um aguilhão na ponta, provoca cada vaquinha, de modo a que esta invista contra o cavalo para assim a castigar, espetando-lhe o aguilhão entre as espáduas e repetindo este processo, várias vezes, quando é conseguida a repetição/recarga. Muitas das jovens vacas são ainda lidadas de muleta. Tudo isto é feito nos tentadeiros das ganadarias que são redondéis ou pequenas praças de touros. Participam, para além do picador (que tem o papel principal), amadores e toureiros (ou ex toureiros) profissionais, o ganadeiro e o pessoal superior da ganadaria. Assistem, muitas vezes, convidados.

Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=1ZrlffvKZ8I&NR=1

1.2. A tenta dos machos

1.2.1. No tentadeiro:
Para as tentas feitas em tentadeiro, o procedimento é basicamente o mesmo tanto para fêmeas como para machos. As diferenças que existem visam que estes, que são dotados de uma excelente memória, se um dia chegarem a ser torturados também numa corrida de touros, não se recordem da tenta, já que isso pode ser uma desvantagem para quem os vier a lidar em praça. Assim sendo, enquanto nas tentas das fêmeas, na primeira fase, os toureiros de turno utilizam o capote para afastar as vaquinhas do cavalo, para que elas, preferencialmente, voltem a investir contra o cavalo e sejam novamente picadas com a vara; nas tentas dos machos são utilizados, para o efeito de os afastar provisoriamente do cavalo, ramos de eucalipto ou choupo. Para que os machos não vejam o capote, também se dispensa, usualmente, a lide de muleta.

1.2.2. Em campo aberto:
Uma vez que o tentadeiro pode dar a conhecer um ambiente semelhante ao de uma praça de touros - com todas as desvantagens que daí poderão advir decorrentes da capacidade de aprendizagem e excelente memória dos bovinos -, os machos são quase sempre tentados em campo aberto. Dois cavaleiros separam de um grupo o indivíduo que querem tentar, servindo-se para Isso de longas varas com que, de seguida, o perseguem até o conduzirem ao local onde se encontra o tentador. Quando o animal perseguido percebe que lhe taparam o caminho, num instinto de defesa tenta atacar o tentador, que aproveita para o castigar, da mesma forma como se castiga em tentadeiro: picando-o, repetidamente, com o aguilhão da vara dos 2,5m. Há animais que são espetados, pela vara de castigo, 12 (DOZE) ou mais vezes.

2. A VIOLÊNCIA DAS TENTAS

2.1. A tenta como ato violento para os bovinos
Ao serem picados, com o ferro afiado e comprido que lhes rasga e perfura a pele, carne e músculos, estes animais, que estão a ser testados, sentem dores fortíssimas. Tentando libertar-se da vara, empurraram, muitas das vezes, o cavalo montado pelo picador, o que faz com que a vara lhes perfure ainda mais o corpo e os deixe severamente feridos e enfraquecidos. Para alguns, a tenta não termina após o tércio das varas ou da muleta, e são ainda violentados pelo cravar de bandarilhas, algumas dessas vezes por alunos de escolas de toureiro.

2.2. A tenta como ato violento para os cavalos
Os cavalos, que estão mal protegidos, apenas pelo “peito” - uma espécie de capa de borracha e algodão - sofrem as investidas dos bovinos e ficam muitas vezes com lesões, em especial lesões internas nem sempre visíveis, que a tal estrutura, supostamente protetora, não consegue prevenir. Além disso, são derrubados com alguma frequência, devido às referidas investidas, ocorridas num momento em que eles estão de olhos vendados e com os movimentos dificultados pela estrutura que os deveria proteger, mas que, não só não os protege convenientemente, como é desconfortável e pesada.

Fotos de uma queda: https://picasaweb.google.com/ant.teix.ftg/Tenta#5459262252465817650


3. O DESTINO DAS VÍTIMAS TESTADAS

3.1. O destino das fêmeas
À generalidade das fêmeas que são atraídas pelos cites do picador, e que investem várias vezes contra o cavalo e obtêm boa nota na tenta, é-lhes atribuída a função de procriar até aos 13/14 anos de idade, normalmente, dois anos sim, um ano não. Quanto às que não são atraída pelos cites do picador, fogem do cavalo ou da vara ou, por outros motivos, obtêm má nota final, vão para o matadouro. Arriscamos dizer que é o que acontece a cerca de 50% das vacas testadas. (De referir que algumas vaquinhas nem chegam a ser testadas em tentas, pois são torturadas ainda antes disso, por exemplo em treinos de toureiros e de alunos de escolas de toureio, e perdem a vida antes de completarem os 2 anos de idade.)

3.2. O destino dos machos
Os machos que se mostram voluntários e, de acordo com os critérios de quem os valia, nobres: ficam destinados à lide. Poucos meses, ou poucos anos, depois, serão torturados para gáudio de pessoas que pagam para ver. Entre os que se mostram voluntários e nobres, os que fazem pelo menos doze fortes entradas no cavalo são muitas vezes, de seguida, lidados por um novilheiro ou por um matador, com os três tércios (capote, bandarilhas e muleta), sendo que se obtiverem boa nota quer na primeira fase com o picador, quer na faena, serão destinados a cobrir vacas; dependendo a continuação desta função das características dos filhos que forem tendo. Os machos que são fugidios e demonstram medo vão para a charrua ou para o matadouro. (De referir que muitos machos, por não reunirem uma série de características, são abatidos muito antes dos dois anos de idade e não chegam a ser testados.)

Gado "Bravo" de Lide?

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Projetos de lei: acabar acabar com os apoios públicos às touradas


O Movimento Cívico Abolicionista da tauromaquia nos Açores, através de um representante que se encontrava em Lisboa, esteve presente na passada sexta-feira, dia 22, na audição pública promovida pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, para discussão alargada dos projetos de lei apresentados no Parlamento, que visam:

1. Proibir a exibição de espetáculos tauromáquicos na televisão pública e alterar a lei da televisão, designando estes espetáculos como suscetíveis de influírem negativamente na formação dapersonalidade de crianças e adolescentes: 
http://www.beparlamento.net/pro%C3%ADbe-exibi%C3%A7%C3%A3o-de-espet%C3%A1culos-taurom%C3%A1quicos-na-televis%C3%A3o-p%C3%BAblica-e-altera-lei-da-televis%C3%A3o-designan

2. Impedir o apoio institucional à realização de espetáculos que inflijam sofrimento físico ou psíquico ou provoquem a morte de animais:
http://www.beparlamento.net/impede-o-apoio-institucional-%C3%A0-realiza%C3%A7%C3%A3o-de-espet%C3%A1culos-que-inflijam-sofrimento-f%C3%ADsico-ou-ps%C3%ADquico


Durante a audição, o MCATA relembrou que a situação nos Açores é escandalosa e que, só em 2012, o Governo Regional já concedeu, por exemplo, 75 mil euros para a realização de um fórum taurino, 5 mil euros para a tourada da Casa de Pessoal da RTP e, mais recentemente, a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo concedeu 290 mil euros para subsidiar, também, eventos tauromáquicos aquando das Sanjoaninhas.

O MCATA defendeu que as prioridades do estado devem, acima de tudo, ser o bem estar social e que a cultura deverá estar ao serviço do desenvolvimento das populações e não da sua estagnação ou retrocesso.
Os projetos serão discutidos em plenário no próximo dia 4 de julho, a partir das 15h. 

A discussão pode ser acompanhada na ARtv ou em http://www.canal.parlamento.pt/


ver notícia relacionada: jornal i

sexta-feira, 22 de junho de 2012

[Comunicado de Imprensa] Touradas nas Sanjoaninas - 290 mil euros para esbanjar e deseducar

Touradas nas Sanjoaninas - 290 mil euros para esbanjar e deseducar


Nos próximos dias realiza-se uma Feira Taurina, integrada nas Sanjoaninas, a qual vai custar ao orçamento da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo a quantia de duzentos e noventa mil euros.

Para além de ser uma afronta a toda a população dos Açores que neste momento passa por dificuldades, por estar desempregada, por ter visto dos seus salários reduzidos, por lhe terem cortado o subsídio de Natal e o 13º mês ou por receber reformas de miséria, na referida feira estão previstos um espetáculo para crianças e idosos e uma espera infantil de gado.

Como é sabido, por várias vezes nem as leis vigentes têm sido respeitadas nem os prevaricadores têm sido punidos, como são exemplo, ao longo dos tempos, a realização de uma tourada de morte, a realização da sorte de varas a seguir ao último Fórum Taurino ou a realização de uma tourada em dia de luto nacional.

No caso destas atividades para crianças, vimos recordar aos promotores e chamar a atenção para as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens para o facto dos espetáculos tauromáquicos estarem legalmente proibidos para menores de seis anos (alínea b do n.º 1 do artigo 4.º do DL n.º 386/82, de 21 de Setembro, alterado pelo DL n.º 116/83, de 24 Fevereiro).

Resta-nos alertar a população dos Açores para o esbanjamento de dinheiros públicos que poderiam ser melhor utilizados em benefício de todos, em vez de serem usados para benefício de uns poucos, que se divertem com o sofrimento de animais.

De igual modo alertamos para o facto de que com o incutir nas crianças e jovens a aceitação de maus tratos aos animais está-se a fomentar a tolerância à violência gratuita não só para com os animais, mas também entre os humanos.


Açores, 21 de junho de 2012